intolerância racismo

Deputado Franzé Silva repudia manifestações de intolerância e racismo dopresidente da Fundação Palmares

Após ter acesso à divulgação de um áudio do presidente da Fundação Cultural Palmares, Sérgio Camargo, através de diversos veículos de comunicação da imprensa nacional e local, o Deputado Estadual Franzé Silva repudiou as colocações do gestor do órgão, responsável por promover a cultura negra no país.

03/06/2020 15h44Atualizado há 2 meses
Por: Portal suldopiaui.com.br
Fonte: ASCM
693

Durante a reunião gravada em 30 de abril deste ano, sem o conhecimento dele, o presidente da Fundação Palmares utilizou termos pejorativos para se referir ao movimento negro, ao dia da consciência negra e às religiões de matriz africana.

Segundo Franzé, que defende abertamente a cultura negra no Piauí, é inaceitável uma postura como essa, vindo de alguém que deveria agir exatamente de forma contrária, valorizando e preservando a história e a luta do povo negro em nosso país. “A cultura negra tem que ser respeitada por todos, principalmente por quem exerce função pública. O Governo Federal extrapolou em nomear esse cidadão para um órgão representativo dos negros”, desabafou o parlamentar.

Em nota, a Secretaria Estadual de Combate ao Racismo do PT no Piauí, também repudiou as declarações de Sérgio Camargo em relação ao Movimento Negro. ”As declarações, de cunho retrógrado e preconceituoso, mostram o profundo desserviço e descompromisso do presidente à frente de uma pauta tão importante. Suas ações se aliam à manutenção de problemáticas raciais e não às suas erradicações”, afirmou o documento assinado por Gilvano Quadros, responsável pela secretaria.

A Fundação Cultural Palmares foi criada no dia 22 de agosto de 1988 pelo Governo Federal, e se consolidou como a primeira instituição pública voltada para promoção e preservação dos valores culturais, históricos, sociais e econômicos, decorrentes da influência negra na formação da sociedade brasileira.