Brasil

Não há intenção nenhuma de controlar preços com troca, diz ministro

Em entrevista exclusiva, Bento Albuquerque também desmentiu possível interferência federal na Petrobras 

21/02/2021 14h34Atualizado há 7 dias
Por: Portal suldopiaui.com.br
Fonte: R7
3
Palácio do PlanaltoSeguir 05/02/2021 Coletiva à imprensa (Brasília - DF, 05/02/2021) Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque durante coletiva à imprensa. Foto: Marcos Corrêa/PR - (Foto: Marcos Corrêa/PR - 05.02.2021)
Palácio do PlanaltoSeguir 05/02/2021 Coletiva à imprensa (Brasília - DF, 05/02/2021) Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque durante coletiva à imprensa. Foto: Marcos Corrêa/PR - (Foto: Marcos Corrêa/PR - 05.02.2021)

Em entrevista exclusiva a Christina Lemos, da Record TV, o Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, garantiu que a decisão do presidente Jair Bolsonaro de trocar a direção da Petrobras não levará a nenhuma nova tentativa de controle dos preços de combustíveis. Ele também garantiu sua própria permanência no comando da pasta e afirmou que a reação do negativa do mercado financeiro à troca é injustificada.

"O presidente Bolsoaro já deixou muito claro que não há nenhuma intenção do governo de controlar os preços, particularmente dos combustíveis, até porque a lei não permite. E isso é o Livre Mercado e nós incentivamos por entender que é o melhor para o país", afirmou.

A troca do atual presidente da estatal, porém, gerou fortes reações do mercado financeiro, com investidores assustados com a possibilidade de intervenção federal nos preços e na gestão da Petrobras. Na manhã desta sexta-feira, após ameaças de troca do presidente, a estatal chegou a perder R$ 28 bilhões em valor de mercado. 

Sobre a reação negativa dos investidores frente à possibilidade de uma intervenção federal nos preços dos combustíveis, o ministro garantiu que caso Joaquim Silva e Luna assuma o comando da empresa, o governo buscará alternativas adequadas. 

"Vai desde o combate à fraude, adulteração de combustiveis. Como também a evasão tributária, fiscal, na comercialização desses combustiveis. Estamos também procurando aperfeiçoar a questao tributaria, com o projeto que enviamos ao congresso nacional na semana passada sobre mudanças na ICMS, uma lei que devia ter sido aprovada há 20 anos e que consideramos muito importante", comentou. 

Veja os principais trechos da entrevista abaixo

Chris Lemos: Como o senhor vê a questão dos combustíveis a partir de agora?

Bento e Albuquerque: Nada mudou. O presidente Bolsoaro já deixou muito claro que não há nenhuma intenção do governo de controlar os preços, particularmente dos combustíveis, até porque a lei não permite. E isso é o Livre Mercado e nós incentivamos por entender que é o melhor para o país.

O que nós estamos fazendo é pensar em políticas públicas em que podemos compensar essas variações do preço dos combustíveis. Mas em termos de interferência intervenção, não existe a possibilidade, primeiro em termos legais, segundo em termos de políticas p´[ublicas por parte do govberno Bolsonaro